Queremos te conhecer! 

Caso queira mais informações sobre a DanzaMedicina (Formações, Workshops, Eventos, Parcerias e Colaborações), ou simplesmente queira se conectar, preencha o formulário. 

           

123 Street Avenue, City Town, 99999

(123) 555-6789

email@address.com

 

You can set your address, phone number, email and site description in the settings tab.
Link to read me page with more information.

sdsd.png

Blog

Reclaim your Wild Feminine Essence. 

Bondage - Consentimento e Liberdade

DanzaMedicina

Comecei a compreender que aquilo era para mim um rito de iniciação para que eu pudesse me libertar do meu vitimismo, da minha necessidade de controlar os outros através de minha dor, me libertar do meu próprio apego ao sofrimento. Foi como limpar os cantinhos escondidos, as rebarbas que sobraram de um porão escuro já muito revirado e cheio de tranqueiras emocionais... foi achar mais um tapete esquecido para bater a sujeira por debaixo.”

Read More

O Poder dos Rótulos

DanzaMedicina

Vivemos hoje uma crise de identidade. Não só isso, vivemos uma crise da própria ideia de identidade. Com o desaparecimento da interioridade e consequentemente do conteúdo essencial do sujeito, o que testemunhamos hoje é uma curadoria do eu- uma edição permanentemente construída da imagem projetada sobre si, no mundo.

Esta identidade que pode ser reconhecida, legitimada e definida como parte de algo é o que comumente chamamos de "rótulos", mas por detrás da necessidade de se dar nomes, descansa a necessidade de pertencer… pertencer a qualquer coisa que faça desaparecer de si a sensação de estar sendo inadequado.

Read More

O sagrado feminino e suas aspas.

DanzaMedicina

" Sagrado Feminino" é um termo que nunca me desceu muito bem, principalmente quando vinculado à minha pessoa. Hoje especialmente, é como aquelas traumáticas espinhas de peixe que grudavam na garganta, e minha mãe fazia descer à seco com farofa.

Read More

Uma maternidade inventada

DanzaMedicina

"Meu filho me acompanhou durante cinco anos- eu de mochila nas costas, ele de dedo na boca, e nós na estrada. Vivendo como nômade, sem casa para voltar. Vivendo como monge, trabalhando como terapeuta somente em troca de doações espontâneas, comida e lugar para dormir (...) "

Read More

Reinventando o Relacionar

DanzaMedicina


"Minha mente busca compreender mas em minha pouca idade me cabe viver. Ir vivendo até que se desvele. Acolhendo a vergonha, a culpa pela não resolução, a raiva pelo sentimento de fracasso, o orgulho por não ter desistido de investigar mais profundo enquanto todos ao meu redor se nutrem de mentiras cotidianas e doses homeopáticas ou cavalares de ignorância, para evitarem sair da zona de conforto. "

Read More